métodos contraceptivos

orientações contraceptivas

Quando se fala em método contraceptivo feminino, a primeira opção que costuma vir à mente é a pílula. Mas, além dela, há várias outras opções disponíveis no mercado. O importante é que a escolha do método passe por cuidadosa avaliação e orientação médica.

Se você não usar nenhuma método contraceptivo para ter  relações sexual com o seu parceiro, você pode fazer parte do grupo de mulheres sexualmente ativas que engravidam dentro de um ano.

Pode haver alguns tipos de métodos contraceptivos que o seu médico recomendará que você não use, dependendo da sua saúde ou medicamentos.

Para que são usados os métodos contraceptivos

A contracepção é usada para evitar gravidez não planejada.

Que método contraceptivo combina comigo

Existem muitas formas de contracepção, mas nenhum método é 100% eficaz. Nem todos os métodos contraceptivos funcionam da mesma maneira e a maioria tem benefícios e algumas desvantagens. É por isso que é importante considerar todos os tipos disponíveis e escolher um que melhor se adapte às suas necessidades de saúde e estilo de vida, junto ao seu médico.

Quais são os métodos de contracepção MAIS PROCURADOS

Pílula anticoncepcional:
A pílula contraceptiva (geralmente chamada de “pílula”) é a forma mais popular de contracepção feminina. É um comprimido que contém hormônios feitos em laboratório que você toma uma vez ao dia. Os hormônios fazem alterações no seu corpo que o impedem de engravidar.
Existem dois tipos diferentes de pílula: a pílula combinada e a mini pílula (somente progesterona). A pílula combinada contém estrogênio e progesterona e a minipílula contém apenas progesterona.
A pílula tem mais de 99% de eficácia quando é tomada corretamente (tecnicamente chamada de ‘ uso perfeito ‘). No entanto, pode ser difícil lembrar de tomar a pílula conforme as instruções e isso é chamado de ‘uso típico’. Com o uso típico, a pílula é apenas 91% eficaz.
Você precisa de receita médica para tomar a pílula. Existe uma variedade de marcas diferentes e um médico pode sugerir a mais adequada para você.

A pílula não oferece proteção contra DSTs.

Preservativo masculino:
Um preservativo masculino é uma cobertura usada sobre o pênis para impedir que os espermatozóides entrem no útero. Os preservativos são geralmente feitos de látex, mas outros tipos estão disponíveis.
O preservativo é a forma mais comum de contracepção masculina. Eles podem ser comprados por pessoas de qualquer idade a partir de uma variedade de lojas, incluindo farmácias e supermercados. Você também pode obtê-los gratuitamente em muitos lugares, incluindo clínicas de contracepção e clínicas de saúde sexual.
Com o uso perfeito, os preservativos masculinos são 98% eficazes na prevenção da gravidez, mas com o uso típico isso cai para 82%.
Um preservativo é a forma mais popular de contracepção que também ajuda a evitar DSTs.

Preservativo feminino:
Um preservativo feminino é usado dentro da vagina e impede o esperma de entrar no útero. Como os preservativos masculinos, eles geralmente são feitos de látex, mas outros tipos estão disponíveis.
Eles não são encontrados em tantos lugares quanto os preservativos masculinos, mas são vendidos em farmácias e supermercados. Você também pode obtê-los na maioria das clínicas de contracepção e de saúde sexual.
O preservativo feminino é 95% eficaz com uso perfeito e 79% eficaz com uso típico.

Assim como o preservativo masculino, o preservativo feminino ajudará a evitar DSTs.

DIU:
O Dispositivo Intra-Uterino, conhecido popularmente como DIU, é um método contraceptivo feito de plástico flexível moldado em forma de T que é introduzido no útero para impedir a gravidez. Ele só pode ser colocado e removido pelo ginecologista, e embora possa começar a usar em qualquer momento do ciclo menstrual, deve ser colocado, preferencialmente, nos 12 primeiros dias do ciclo. O DIU apresenta uma eficácia igual ou superior a 99% e pode permanecer no útero entre 5 a 10 anos, devendo ser retirado até um ano após a última menstruação, na menopausa. Existem dois tipos principais de DIU:

DIU de cobre ou DIU Multiload: é feito de plástico, mas revestido somente com cobre ou com cobre e prata;
DIU hormonal ou DIU Mirena: contém um hormônio, o levonorgestrel, que vai sendo liberado no útero após a sua inserção.

Uma vez que o DIU de cobre não envolve o uso de hormônios, geralmente tem menos efeitos colaterais no resto do corpo, como alterações de humor, peso ou diminuição da libido e pode ser utilizado em qualquer idade, não interferindo com a amamentação.
No entanto, o DIU hormonal ou Mirena também tem várias vantagens, contribuindo para a diminuição do risco de câncer do endométrio, redução do fluxo de menstruação e alívio das cólicas menstruais. Dessa forma, este tipo também é muito utilizado em mulheres.

Não protege contra DSTs.

Injeção contraceptiva:
A injeção contraceptiva é uma injeção de progesterona produzida em laboratório, o hormônio presente na minipílula. A injeção contraceptiva deve ser administrada por um médico ou enfermeiro que discutirá se é adequado para você.
Os contraceptivos injetáveis são mais de 99% eficazes com o uso perfeito, 94% com o uso típico.

Como outros métodos hormonais de contracepção, as injeções não protegem das DSTs.

Esterilização:

A esterilização é uma operação de um médico que protege permanentemente contra a gravidez. Está disponível para homens e mulheres.
Nos homens, o procedimento é chamado de vasectomia. Os tubos que transportam esperma são cortados ou selados. Nas mulheres, as trompas de falópio são cortadas ou amarradas para que os ovos não possam se mover para o útero.
As mulheres também podem ter esterilização não cirúrgica. É quando um implante é colocado em cada trompa de Falópio para criar cicatrizes que eventualmente bloqueiam cada trompa. As cicatrizes podem levar até 3 meses para bloquear completamente os tubos, então você precisa usar outro método contraceptivo nesse meio tempo.
A esterilização oferece mais de 99% de proteção contra a gravidez. Em casos raros, os tubos bloqueados voltam a crescer e se reconectam ou os tubos não são efetivamente bloqueados.

A esterilização não fornece nenhuma proteção contra DSTs.

Na escolha do método contraceptivo deve considerar que alguns são mais eficazes e seguros do que outros. Além disso, apenas aqueles que constituem uma barreira física também impedem que as pessoas contraiam doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), consulte sempre um médico especialista.

Lembrete importante: Esta informação destina-se apenas a fornecer orientação, não um conselho médico definitivo. Por favor, consulte o médico Dr. Ricardo Silveira sobre sua condição específica. Somente um ginecologista certificado, treinado e experiente, pode determinar um diagnóstico preciso e tratamento adequado.

Fechar Menu

Pin It on Pinterest